Aberio Christe - Seja Autêntico

24/04/2013

Pelas Alamedas

Pelas Alamedas

 

Ela andava pelas alamedas

Em um dia de muita luz,

Mas lhe atormentavam as perdas

E sentia no dorso o peso da cruz.

 

No peito a dor lhe apertando,

Sua alma encharcada de medo,

O rosto pálido sem encanto,

E na boca um gosto azedo.

 

Já não tinha certeza nenhuma,

Nem uma bússola de esperança,

Nada de confiança e, em suma,

Não possuía vestígio de crença.

 

Era pouco mais que um zumbi

Caminhando sem algum sentido,

Sem qualquer emoção para sentir

E sem aquela fé que havia possuído.

 

O vento então lhe socou o rosto,

A chuva lhe bateu no couro cabeludo,

Suas roupas ficaram em ensopo,

E seu caminhar deixou de ser mudo.

 

Gritava pelos sapatos transbordantes

Que massacravam as poças cheias

Das águas fluviais congelantes

Desacelerando o fluxo das veias.

 

A respiração tornou-se ofegante,

Levantaram-se os pelos dos braços

E ela sentiu um frio deselegante,

Como flechas penetrando o aço.

 

Finalmente um sentimento bandido

Roubou-lhe um espaço no peito,

E a emoção que havia perdido

Sanou, de seu coração, os defeitos.

 

Naquele extraordinário instante,

Sentiu que ainda vivia

E apesar das feridas constantes,

Uma filha de Deus, ali renascia.

 

Aberio Christe


Escrito por Aberio Christe às 07h55
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
       
   
Histórico

OUTROS SITES
    UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis


VOTAÇÃO
    Dê uma nota para meu blog